quinta-feira, 3 de setembro de 2009

FUCK ON THE BEAAACH!


Por Boris Orloff, tradutor, intérprete e pai da Maísa.

Os japoneses não só são um dos povos mais trabalhadores do planeta, mas também um dos mais sensuais. Essa característica se revela sobretudo em seus inúmeros gêneros pornográficos, que vai desde colegiais safadas até as orgias com tentáculos monstruosos. Nunca entendi muito bem os motivos que levam um povo a se masturbar com animês hentai com tentáculos, até ver a dita sensualidade nipônica se pronunciar no vídeo do Fuck on the Beach.

É mais do que sensual, é romântico. O cenário "praia" sempre foi alvo de várias obras que almejavam simbolizar o amor carnal dos personagens, seja nos filmes de Godard, ou nos do Alexandre Frota. Só que no caso desse vídeo-clipe em particular, a praia não é mero cenário, ela é a transubstanciação da sensualidade, participa do ato como protagonista e fornece o material erótico necessário para explorar qualquer vertente do amor.

Não sou de me masturbar para vídeos musicais, já que sou brocha, entretanto tive que abrir uma exceção para o Fuck on the Beach: nunca havia observado como os coqueiros têm a malemolência e o jingado da mulher brasileira (alguns até mais). Nosso país tropical oferece muita mais entretenimento sexual do que pensamos, não estamos à mercê das menininhas bêbadas, dos travequinhos travessos, dos animaizinhos emburrados e das prostitutas de 12 anos. Basta apenas abrir os olhos e o coração.